por Oscar D'Ambrosio


 

 


     

Waldrix

 

O poder da imagem

 

            Uma das principais características da arte primitivista é o trabalho com cores, geralmente primárias, em tons quentes, oferecendo um resultado em que forma e fundo se relacionam de maneira intensa, não havendo predominância de uma sobre a outra, mas sim um diálogo pleno em dinamismo, que gera imagens fortes e, não raro, inesquecíveis.

            É o que ocorre com as telas do pintor Waldrix, falecido em 24 de janeiro de 2008. Seu trabalho tem um significativo poder de lidar com as cores. Ele utiliza pouco o meio tom, criando imagens de grande impacto comunicativo, que captam a atenção do espectador. Seus temas – que vão das telenovelas à política – são o pretexto para uma arte que merece observação atenta.

            Nascido em 1958, em Neves Paulista, SP, cidade colonizada por espanhóis próxima a São José do Rio Preto, Walter Sanches Jr. definia-se como um menino introspectivo, que gostava de desenhar nas porteiras das fazendas e que entalhava com canivete desenhos nas árvores nas estradas por onde passavam as boiadas.

            As primeiras criações do artista, portanto, foram realizadas com carvão nas casas de tábuas dos sítios. Aos 12 anos, Sanches, já em São José do Rio Preto, pintava em telas e participou de exposições juvenis na casa de Cultura local, incentivado pela diretora, a escritora Dinorath do Valle.

            O jovem também freqüentava a biblioteca, onde conheceu o artista primitivista José Antonio da Silva, que ali trabalhava como servente e tentava fundar o primeiro museu primitivista do País. Com o estímulo de Silva e do crítico de arte Ernesto Kawal, Sanches – que já assinava Waldrix – deu prosseguimento à sua carreira.

             A convite de Romildo Sant’Anna, curador do Museu de Arte Primitivista José Antônio da Silva, Waldrix, em 2001, restaurou 11 telas do acervo, em estado de deterioração. Participou ainda de várias exposições individuais e coletivas, integrando, a partir daquele ano, o acervo permanente do Museu Internacional de Arte Naïf do Rio de Janeiro (MIAN).

            Em telas como O cadeirudo, o artista se aproxima do realismo fantástico, com a quebra de proporção e a visão de uma cidade com casas em que a perspectiva ganha uma dimensão toda pessoal. O céu estrelado entra em choque com um sol de intenso amarelo, enquanto o personagem que intitula a tela surge com uma sombra ameaçadora deixando, no meio do asfalto, uma mulher nua, próxima à figura de um animal feroz, meio cão/meio lobo.

A noiva fujona já apresenta um tom mais idílico, com um homem pescando, animais no rio e bois pastando. O tom humorístico é dado pela noiva que foge de bicicleta, passando com seu vestido de cauda sobre uma ponte, sem proporções acadêmicas bem dentro das características naïfs.

A violência urbana se faz presente em Refém, tela em que um homem negro, com um revólver na mão aparece abraçando uma mulher branca e loira, com seios fartos e bochechas pintadas. O olhar de agressividade dele contrasta com a incredulidade da moça, enquanto, na parede, está a inscrição “Sevícias do poder” e, em prateleiras, numerosas garrafas de bebida. 

O engajamento de Waldrix é ainda mais evidenciado na tela Caras pintadas, de 1992, em que manifestantes são pintados carregando faixas contra o então presidente Fernando Collor, com mensagens pedindo justiça, ordem e ética, condenando, portanto, a impunidade aos bandidos e aos “fantasmas” da máquina burocrática pública que recebem sem trabalhar.

 A arte de Waldrix se destaca precisamente pela capacidade de enfocar diversos temas com a mesma espontaneidade. Seu azul tem um tom muito peculiar e as imagens que oferece mesclam a crítica social ao bom humor, numa combinação plena de autenticidade que merece receber maior atenção da crítica de arte e dos especialistas em arte primitivista.

Oscar D’Ambrosio é jornalista, autor de Os pincéis de Deus: vida e obra do pintor naïf Waldomiro de Deus (Editora UNESP) e responsável pela página www.artcanal.com.br/oscardambrosio

 

 

No Netscape clic com botão direito para ver a imagem


Fechar Foto                                                                                              Abrir Foto

"O Cadeirudo"

O.S.T - 60 X 70 cm  2000

Waldrix

 

 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Oscar D’Ambrosio