por Oscar D'Ambrosio


 

 


Francisco de Almeida (Xico): uma vereda roseana

 

            As artes plásticas têm um poder mágico. Ver um trabalho significa conhecer de alguma maneira o seu criador. Perante as aquarelas, pinturas e esculturas de Francisco de Almeida (Xico) é isso o que ocorre. As imagens que cristaliza dizem respeito a uma forma de compreensão do mundo.

            Trata-se de um universo regido por movimentos circulares. É como se infinitos pequenos cérebros se fizessem presentes a cada momento. De cada escultura em forma de ninho, por exemplo, parece surgir uma nova idéia e maneira de conceber aquilo que convencionamos chamar de realidade.

            Especialmente nas aquarelas, o artista obtém um resultado pleno de vigor pela maneira como se vale da cor com uma intensidade que varia – de acordo com o trabalho – do poder do impacto, que demanda, às vezes, uma observação à distância, a uma maior delicadeza, que exige o namoro próximo, a conversa íntima, o diálogo demorado.

               A maneira como ocorre o uso do branco do papel comporta um lirismo, uma poesia e um silêncio de quem desenvolve a própria educação visual e a transmite com segurança. Em contrapartida, quando os espaços são recheados de cor, a discussão estabelecida é no diálogo entre os planos.

            Francisco de Almeida (Xico) dá às cores a sua interpretação. Isso significa uma maturidade artística concebida no plano do pensar e não somente no do fazer. É no aperfeiçoamento do conhecer o próprio trabalho que desenvolve a musicalidade de sua poética.

Essa sinfonia é regida pelas curvas do cérebro e seus movimentos simultâneos: um uterino, de mergulho na própria consciência, e outro de exteriorização dos pensamentos e da construção de uma visão plástica particular. Assim o artista constrói a sua trajetória, uma vereda roseana na qual o perigo e o fascínio de viver e de criar constituem o maior fascínio da existência.

 

            Oscar D’Ambrosio, jornalista e mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UNESP, integra a Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA- Seção Brasil).

 

 

 



 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Oscar D’Ambrosio