por Oscar D'Ambrosio


 

 


 

  Tomás Soares de Menezes Senna

 

            O mistério em labirintos

 

            “Se pudesse rasgar e deitar fora o passado como o rascunho de uma carta ou de um livro... Mas fica sempre, manchando a cópia a limpo, e creio que é isso o verdadeiro futuro”, frase de Luis no contoCartas de mamá”, publicado no livro Armas secretas (1959), de Julio Cortázar, é uma pista para penetrar no universo visual proposto pelo artista plástico Tomás Soares de Menezes Senna  em seu vídeo Liberdade condicional, que obteve o primeiro lugar no 12º Salão Paulista de Arte Contemporânea, realizado em 2008.

            O texto, que mereceu inclusive uma adaptação cinematográfica por Manuel Antín, sob o nome de La cifra impar (1962), lida com uma interessante – e, por vezes, ousadaalternância de tempos na interpretação visual da narrativa de dois homens que se apaixonam pela mesma mulher. Ela escolhe um deles; o outro morre; e o casal, formado por Luis e Laura, mora em Paris, onde é perseguido pela culpa.

O que movimenta a narrativa do conto são as periódicas cartas que a mãe manda ao filho. Elas não interrompem o equilíbrio cotidiano como tornam o passado presente. Frases e lapsos da mãe geram os mais variados sentimentos, não permitindo a morte de emoções e pensamentos que os protagonistas desejam sepultar.

            Nascido em 1984, o paulistano Tomás Soares de Menezes Senna realizou um vídeo de 3 minutos e 35 segundos com fotografias em movimento. Intitulada Liberdade condicional, a criação toma como protagonista a mãe de Luiz, ou seja, a autora das cartas. Sem falas, em preto e branco, com música de Eric Satie, a produção instaura um clima de mistério e delicadeza que cativa desde a primeira cena.

O título do vídeo é sugerido pela primeira frase do conto. A atmosfera e a melodia acentuam as imagens selecionadas de uma senhora sentada, junto à janela,  à escrivaninha e com closes do rosto. É enfatizada a solidão dela, principalmente numa cena presente no conto original: a das camisas cuidadosamente passadas que se acumulam para o filho morto.

O jogo de claro e escuro, quando a protagonista abre uma porta de um armário, muito mais revela do que esconde. A escrita de uma carta também é dominada por esse mesmo clima. Uma folha de papel em branco e uma carta fechada sobre a mencionada escrivaninha são imersas nessa mesma vereda de sombras cuidadosamente criadas e controladas no processo de edição.

 O ato de colocar uma carta por baixo da porta, por exemplo, adquire uma série de simbolismos dentro da idéia de Liberdade condicional expressa no título. As cartas da mãe tornam-se assim um misterioso labirinto visual criado por uma atmosfera sutil em que o interior da mãe é progressivamente desvendado enquanto as imagens focam apenas a casanunca o exterior.

Tomás Senna se vale da imagem da fotografia num contexto cinematográfico para construir a sua visão de um conto célebre de Cortázar colocando a autora das cartas como protagonista numa atmosfera marcada pelo silêncio, pelos vazios e pelo isolamento. O poder da condição do ensimesmamento é acentuado como forma de bloquear caminhos existenciais, levando a uma difícil jornada pelas trajetórias labirínticas da mente.

 

Oscar D’Ambrosio, jornalista e mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UNESP, integra a Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA- Seção Brasil).

 

 

 

 

No Netscape clic com botão direito para ver a imagem


Fechar Foto                                                                                              Abrir Foto

 

  Liberdade condicional
vídeo instalação 3 minutos e 32 segundos 2008

Tomás Soares de Menezes Senna

 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Oscar D’Ambrosio