por Oscar D'Ambrosio


 

 


   

Prêmio Espaço Cultural Banco Central 2008

 

            A sobrevivência ao tempo

 

            Toda manifestação plástica contém uma educação visual do mundo. A premiação de obras num salão de arte sempre gera uma reflexão sobre os critérios e paradigmas utilizados, principalmente quando, como ocorreu no presente caso,  o júri já partiu de uma pré-seleção realizada pelo público que freqüenta as exposições do Banco Central.

Talvez o ponto mais importante de um processo seletivo seja a unidade desenvolvida por cada participante. A busca de uma linguagem plástica regida por critérios de composição absolutamente particulares e a proposta de um pensamento e de um projeto estético são fatores fundamentais no momento de discutir e decidir quais artistas devem ser contemplados.

            O domínio da técnica escolhida é um quesito fundamental, assim como a originalidade, entendo-se esta como a intenção de apresentar uma expressão pessoal única em sua verdade interior. Esses dois elementos constituem aspectos essenciais das obras que sobrevivem ao tempo.

            Cada pessoa nasce com um sonho que vai sendo bloqueado e alterado ao longo do tempo por circunstâncias ligadas à família, à educação formal, do ensino primário ao superior, e ao universo do trabalho. A arte é o espaço da liberdade da percepção, onde esse sonho é recuperado. São os mais belos e melhor elaborados sonhos os escolhidos nesta edição do Prêmio Espaço Cultural Banco Central.

 

Oscar D’Ambrosio, jornalista , é mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes (IA) da Unesp, câmpus de São Paulo e integra a Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA-Seção Brasil).