por Oscar D'Ambrosio


 

 

 

Orlando Mattos

 

            Eterna procura

 

            Um artista plástico é muito mais que uma biografia. Orlando Mattos (Castro, PR, 1917 – Diadema, SP, 1992) é uma prova disso. Sua experiência como cartunista e ilustrador, além da atuação em editoras, publicidade e com desenhos de humor, infelizmente, ofuscaram a sua importância como pintor.

            Em 2009, ainda o meio intelectual deve ao artista um reconhecimento do seu valor, já apontado por personalidades como Ziraldo, que lhe rende homenagens na abertura de A professora maluquinha. Um esforço nesse sentido foi a retrospectiva e a publicação de um livro sobre o artista em 2007 pela prefeitura de Diadema, cidade onde morou nos seus últimos 20 anos.

            O expressionismo das obras em óleo e dos bicos de pena de Mattos merece observação atenta. Há ali o universo alemão das pinceladas largas e das manchas, mas numa atmosfera brasileira que inclui a figura do cangaceiro e o cotidiano das favelas e do trabalho nos cafezais e nas plantações de cana.

            A grande questão que o pensamento visual do artista paranaense coloca é que ele conseguiu fazer um retrato do Brasil no qual estão desde as colheitas de diversos produtos à árdua lida dos garimpeiros, lenhadores  ou de trabalhadores da construção civil.

Tudo isso surge com a valorização do ser humano nesses cenários. Geralmente são as pessoas que estão em primeiro plano, com numerosas variações cromáticas, inclusive com surpreendentes usos do verde ou azul em alguns trabalhos. É a faina difícil que vem à tona como um documento poético do cotidiano

Mesmo quando o universo para o qual se direciona é o feminino, Mattos não deixa de lado a vertente da denúncia social. As ambientações são sempre importantes como uma maneira de deixar evidente que não podia conceber a arte desvinculada  da realidade em que ela se inseria.

O conjunto da obra surge como um grande grito de desespero. As figuras em posição de prece alertam para a necessidade de uma ação. Seus quadros não são meras contemplações do mundo, mas funcionam como um apelo poderoso, em termos imagéticos, do trabalho de um povo à espera de uma vida melhor.

Mesmo quando suas figuras são mais livres e aparentemente menos engajadas, apresentam torções de corpos e movimentos de formas que apontam para uma Eterna procura (não à toa nome de dois pujantes quadros, feitos em 1974) de respostas para uma densa inquietação.

Em meio a numerosas dores, as obras de Orlando Mattos trazem uma ansiedade que se faz presente em um cartum de 1962, por exemplo, em que uma Virgem Dolorosa contemporânea urbana chora a morte do filho sob o título Quem responde?. As indagações que essa imagem e que a obra do artista ainda traz continuam a ecoar.

O poder do criador permanece em sua forma de se relacionar com o mundo nunca de uma maneira passiva, mas sempre sob um olhar crítico. Gera perguntas questionadoras de busca de alternativas visuais e existenciais perante o inconformismo que tornam Orlando Mattos um nome a ser redescoberto na pintura brasileira.

             

Oscar D’Ambrosio, jornalista e mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Unesp, integra a Associação Internacional de Críticos de Arte  (AICA- Seção Brasil).

 

 

 

 

No Netscape clic com botão direito para ver a imagem


Fechar Foto                                                                                              Abrir Foto

 
  Eterna procura I 
óleo sobre duratex 44x61 cm 1974

Orlando Mattos

 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Oscar D’Ambrosio