por Oscar D'Ambrosio


 

 



Martha Lorenzo

        A pintora do Paraíso

        Paraíso, paradesha, em sânscrito, significa região suprema. Na tradição judaico-cristã, é geralmente descrito como um centro espiritual, a morada da imortalidade, o coração do mundo e o ponto de comunicação entre o Céu e a Terra. Adão, nesse Paraíso, teria vivido num estado de graça sobrenatural, sendo-lhe apenas negado o direito de saborear o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, que ficava bem no meio do jardim. Ao violar essa proibição, Adão levou à queda do homem, como afirma o Gênesis, 2, 8-17.

        É nesse contexto bíblico e simbólico que a obra da pintora argentina Martha Lorenzo pode ser melhor apreendida. Nascida em Rosario, em 28 de junho de 1940, a artista considera-se naïf desde 1989, quando abandonou os preconceitos contra esse tipo de arte, muitas vezes aprendidos e desenvolvidos em estudos acadêmicos.

Decoradora de interiores, Martha começou, a partir de 1991, a expor e a receber prêmios. "Uma obra naïf é a criação livre espontânea, com a fantasia sempre presente. É o mundo como o vemos. É a vida como a sentimos", afirmou para o livro Arte Naïf: una visión poética de la vida, de Nilda Marruco Carbonell, lançado no ano 2000.

        A principal temática da pintora é Adán y Eva. "Tem sido a mais forte pela sedução que o casal provoca", declara a pintora. Dois quadros sobre esse tema foram exibidos na III Bienal Internacional Naïf promovida pela Fundación Rómulo Raggio, em Buenos Aires, em 1998.

Na primeira delas, intitulada En algún lugar, el paraíso, mostra diversas árvores do pecado, com serpentes, sendo que o tronco mais importante, em lilás, com a serpente azul, contempla Adão e Eva quase encostando os lábios. Ele segura o fruto do pecado com a mão direita, numa cena marcada pela sedução.

O Paraíso é então apresentado como uma ilha cercado pelo tom azul, seja do mar ou do infinito. Cabe ressaltar a forma como a pintora constrói a vegetação, em imagens densas, em que se destacam as serpentes que se enrolam nas árvores. Surge assim um clima fantástico e misterioso, bem a gosto dos naïfs.

        Em Adán y Eva III, exibido na mesma Bienal, o Paraíso é concebido de maneira semelhante. Diversas árvores formam um círculo e, novamente, a árvore, principal, colocada na base, é lilás e apresenta, enrolada em seu tronco, a serpente do pecado. No topo dessa árvore, surgem Adão e Eva. Ela cobre os seios e seu órgão sexual com plantas e flores; e Adão também protege o membro com uma folha de parreira, indiciando que ambos já perderam a pureza original e tem vergonha de mostrar-se nus um ao outro.

A predominância do tom azul fornece ao quadro uma impressão de infinitude e de eternidade à imagem, como se ela estivesse fora do tempo e do espaço. Ainda nessa linha de temática, há a tela Paraíso Perdido. O Paraíso parece surgir do fundo de uma caverna. Uma enorme aureola amarela ilumina uma árvore, mais um vez em lilás, com os frutos do pecado.

O primeiro casal do mundo está abraçado, de costas, num local idílico, em que aparecem diversos animais, como zebras e flamingos. A imagem segue a tradição ocidental de apresentar o Paraíso como um jardim com vegetação luxuriante e espontânea. Nesse ambiente, Adão nomeia os animais e obtém assim a dominação do intelecto sobre os sentidos e os instintos.

Após provar da fruta do pecado, haveria, no ser humano, o desejo do retorno ao estado edênico e à obtenção de um estado equilibrado, a partir do qual se pode fazer a ascensão espiritual ao longo do eixo terra-céu. Por isso, o Paraíso é geralmente descrito como um local em que reinam a primavera e a claridade eternas. Há ainda os que dizem que um dia do paraíso vale mil dias terrestres, proporção que dimensiona como a paz no Paraíso é incomparavelmente maior a qualquer felicidade vivida na Terra.

Martha, que pertence ao Grupo Rosario de Arte Ingenuo e Grupo de Arte de Rosario, teve sua obra citada em La pintura ingenua argentina, de Oscar Félix Haedo (Edición PPC/Fraterna, 1996). O livro traz ainda o quadro Mujer con hojas, que mostra uma figura feminina, provavelmente Eva, debruçada sobre o galho de uma árvore.

Nua, de olhos fechados, aparentemente desconsolada, ela surge cercada de densa vegetação. Por não ter preocupação em cobrir os seios, provavelmente ela ainda não conheceu o pecado. Trata-se de uma imagem de grande pureza, em que a floresta circundante evoca, como costuma ocorrer com a pintora, quadros criados pelo pintor Henri Rousseau, o pai dos naïfs.

Integrante do Museu Austral Naïf de Esquel e do Museu Naïf de Buenos Aires, Martha Lorenzo já participou de mostras em Rosario, Buenos Aires, Santa Fe, Luján e Tandil, na Argentina, e, no exterior, exibiu seu trabalho na Espanha, Cuba, México e Venezuela.

Em 1999, a artista apresentou o quadro Adán y Eva, no Museu de Arte Hispânica e Latino-Americana, na Florida, EUA, na mostra Mês Cultural Argentino. Trata-se de mais uma criação, em estrutura circular, do Paraíso. O casal é mostrado um instante antes de se beijar.

Retratados do tronco para cima, Adão e Eva aparecem cercados por oito árvores, sendo que uma delas, novamente a violeta, a cor da paixão e do sofrimento de Cristo, nasce bem acima das cabeças dos protagonistas, carregando os frutos proibidos. Como é habitual na artista, Adão porta um deles na mão direita, indiciando seu desejo de provar do fruto do conhecimento e do pecado original.

Outra vertente do trabalho de Martha Lorenzo está na transformação em imagens de letras de tangos, como ocorre em Fumando espero. A melodia é ouvida em um rádio antigo, enquanto uma mulher, de formas voluptuosas, está recostada em uma espreguiçadeira de costas para o espectador.

A mulher olha pela janela uma praça com uma fonte e, do rádio, surge escrita parte da letra do tango que intitula a obra ("...tras los cristales de alegres ventanales"). A imagem, portanto, vincula-se à letra, mas não constitui apenas uma ilustração. Acrescenta novos dados, como o gato, à direita da tela, que deseja brincar com à dona, com uma flor na pata dianteira esquerda.

O mais curioso é que a continuação da coleira do animal se transforma na assinatura da artista. Destacam-se as paredes ricamente decoradas e as cortinas vermelhas cuidadosamente desenhadas. A falta de perspectiva do tapete caracteriza a obra como naïf, assim como a posição da perna esquerda da mulher, que, levemente erguida, a deixaria numa situação incômoda e irreal, bem dentro dos parâmetros do estilo. "O desenho é mais uma expressão da criatividade", afirma a artista.

O principal, porém, é o clima criado a partir do tango, que evoca justamente toda a atmosfera de sedução, solidão e sofrimento que caracteriza esse tipo de música. As cores vibrantes, mescladas com esse universo, produzem um resultado de elevado impacto visual, que conquista o espectador e o leva a seguir cantarolando a melodia insinuada no quadro.

        Menção Honrosa no Salão Pequeno Formato, da Galeria de Las Naciones, em Buenos Aires, em 1999, a obra de Martha Lorenzo também se relaciona com a literatura. A artista já mereceu um poema da escritora argentina Beatriz Sicco Balladares e, no mesmo ano, a pintora participou, junto com nove artistas de Rosario, de uma mostra em homenagem ao escritor Jorge Luís Borges, na American Intercontinental University, que mereceu notícia do jornal Mundo Hispano, de Atlanta, Georgia, EUA.

        A obra de Martha Lorenzo, como um todo, é uma busca pelo Paraíso perdido. O tema de Adão e Eva, ao ser recorrente, alerta para a capacidade da arte de retomar o vínculo perdido entre o homem e o sagrado. A artista, com suas cores bem definidas e imagens claras, possibilita visualizar a reconstrução de nosso vínculo com o que há de mais divino em cada ser humano: a capacidade de, pela arte, transformar uma imagem poética e visualmente bem construída num breve reencontro com a espontaneidade original humana, perdida desde que Adão e Eva sucumbiram à tentação do fruto proibido.

                      

 

Oscar D’Ambrosio é jornalista, crítico de arte e autor de Os pincéis de Deus: vida e obra do pintor naïf Waldomiro de Deus (Editora UNESP).   

   

 

 

 

 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Galeria de Fotos

 

Oscar D’Ambrosio