por Oscar D'Ambrosio


 

 


Maroubo

 

            A arte contra a violência

 

            O mundo nunca atingiu tamanho progresso tecnológico. A globalização derrubou as fronteiras geográficas e a internet possibilita a redução da comunicação entre lugares distantes a frações de segundos. O ser humano, porém, continua a exibir alguns de seus instintos mais primitivos em variadas formas de violência, que atingem desde o mais humilde dos trabalhadores à principal figura do cristianismo na Terra, o Papa.

            A arte do pintor Maroubo surge como um libelo contra as diversas formas de agressividade. As telas em que se volta para a pureza da infância, para a violência cometida pelas crianças em brincadeiras infantis ou ainda para pombas que voam com um ramo de oliveira no bico constituem um universo de intensa preocupação com um mundo que muitas vezes parece estar descarrilando. 

            A metáfora se aplica a Maroubo, que foi ferroviário e, na tela Maria-fumaça, de inspiração realista, coloca a locomotiva em destaque, imponente, em toda a sua onipotência. A máquina desperta admiração com sua chaminé cuspindo fumaça cinzenta. A impressão é que ela vai sair do quadro com o vigor de seus pistões a todo vapor.

Esse quadro é apenas uma pequena amostra do talento de José Gonçalves Maroubo. Nascido em Cândido Mota, interior de São Paulo, em 24 de julho de 1931 e falecido em 6 de maio de 2009, ele começou a pintar desde criança, tendo, no grupo escolar, o incentivo da mestra Dona Mafalda. Foi ainda nessa cidade que realizou seus primeiros trabalhos com o barro vermelho que recolhia nas ruas e esculpia nas mais diversas formas, chegando a fazer seu próprio presépio de Natal.

            Em 1960, Maroubo mudou-se para Assis, SP. Autodidata na arte, viveu da sua aposentadoria como ferroviário da extinta Estrada de Ferro Sorocabana e da sua pintura, que já lhe concedeu prêmios nos EUA, Portugal e Uruguai. Em 1961, ele também fundou a Escolinha de Artes Plásticas de Assis, que ensinou os primeiros passos da arte a muitas pessoas da região.

O artista idealizou a primeira exposição de pintura em Assis, em 1966 e se envolveu em outras atividades, como a fundação do Teatro Amador da Vila Operária. Tais ações culturais lhe renderam o reconhecimento da comunidade, cristalizado na outorga, em 1994, do título honorífico de cidadão assisense.

            Católico, em 1987, Maroubo pintou três telas que foram entregues ao Papa João Paulo II, que enviou inclusive uma carta de agradecimento. Das três, Atentado à paz é a de maior impacto, ao mostrar uma ave ferida, pairando sobre o globo terrestre, derramando sangue sobre a Itália. O ramo de oliveira que carregava no bico está caindo, indicando a sua dor perante um mundo cada vez mais marcado por ações sem sentido que eliminam anualmente milhares de pessoas em todo o globo.

            Aproximação I, com tons quentes que vão do vermelho ao amarelo e II, em um exercício com diferentes tonalidades de verde, também surge a imagem da pomba. Na primeira tela, o ramo de oliveira é carregado em direção às Américas e, no segundo, à Ásia, expressando o desejo de que a paz se espalhe entre todos os povos.            

            O quadro Memórias de minha infância, por sua vez, apresenta um interessante conjunto de cores terrosas cuja temática é o jogo do pião. Três deles são colocados na tela num jogo simétrico, um sobre uma corda e dois dentro de um círculo. Na parte superior, é estabelecida uma atmosfera de simplicidade graças à porta semi-aberta de um rancho com paredes de madeira e ao chão de terra.

            Mas as crianças que brincam não são sempre vistas com ingenuidade e pureza. É o caso de Infantilidade, em que um estilingue, ladeado de pequenas pedras e de um pássaro morto traz o alerta de que mesmo os jogos infantis podem carregar dentro de si muito da violência primitiva da qual o ser humano ainda não se libertou.

 O sangue próximo ao bico do pássaro denuncia qualquer ato contra um animal indefeso como um dos maiores males da humanidade. A composição trabalha basicamente com três elementos: o corpo sem vida do pássaro, o estilingue de couro e uma sacola, colocadas lado ao lado sobre tábuas de madeira. Eles interagem para mostrar que a infância – nem sempre tão ingênua como gostaríamos – porta as sementes de atos intempestivos que geram mortes gratuitas por mero prazer.

Seja na figura de uma ave morta ou ferida, Maroubo apresenta em suas telas um canto de paz. A imagem da locomotiva que percorre os trilhos com todo o entusiasmo que a velocidade lhe permite é justamente a imagem de um artista que acredita na força humana de percorrer um trajeto que leve a aquilo que é justo e pacífico. Sua pintura expressa essa necessidade com técnica esmerada, extrema dedicação e a preocupação constante de conscientizar o ser humano de que a violência nunca é o melhor caminho.

Oscar D’Ambrosio é jornalista, integra a Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA) e é autor de Os pincéis de Deus: vida e obra do pintor naïf Waldomiro de Deus (Editora Unesp).

 
 

 

No Netscape clic com botão direito para ver a imagem


Fechar Foto                                                                                              Abrir Foto

"Memórias de minha infância"

O.S.T - 50 x 60 cm  1981

 Maroubo

 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Galeria de Fotos

 

Oscar D’Ambrosio