por Oscar D'Ambrosio


 

 



Maret

        A inquietação visual

        O líder sul-africano Nelson Mandela já declarou que "A derrubada da opressão é a maior aspiração de cada homem livre". A mesma emoção pode ser sentida ao se contemplar as fortes imagens criadas pela pintora Maret. Num estilo que foge a classificações fáceis, mescla o neoprimitivismo ao expressionismo para obter um resultado que gera impacto por mostrar imagens pungentes, de forte conteúdo social.

Nascida em 13 de dezembro de 1975, em Santo André, SP, Sandra Maret Scovenna, filha de mãe checa e pai argentino, mostrou aptidão para o desenho desde criança, mas foi em 1994 que realizou um contato mais próximo com as artes, freqüentando uma oficina promovida pela Prefeitura de São Bernardo do Campo.

        Desde o início, suas telas apresentam questionamentos sociais. É desse momento, por exemplo, um quadro em que a artista critica uma aula de História ministrada em moldes tradicionais. Em 1995, Maret participou do V Salão de Artes Plásticas Contemporâneo de São Bernardo do Campo recebendo, como premiação, uma exposição individual, realizada no ano seguinte, no Espaço Henfil de Cultura. "As cores misturadas com tons escuros revelam uma forte denúncia de tudo aquilo que traz insegurança para a humanidade", disse, na apresentação, o pintor Waldomiro de Deus.

        Em 1999, a artista foi selecionada para o Programa Anual de Exposições de Santo André, realizando novamente uma exposição individual de março até abril de 2000, no Cine Teatro Carlos Gomes, em que mostrou sua preferência por telas de grandes dimensões, de 1x1 m, em que ela pode trabalhar melhor a expressão agoniada dos rostos de seus personagens, uma marca registrada.

Entre essas telas, destaca-se A fazedora de bonecos. Um mulher de blusa amarela, à frente de fundo azul, é mostrada em seu trabalho de criar seres inanimados. A imagem se torna uma metáfora do poder da artista, capaz de dar vida àquilo que toca, compondo, com seu talento, da forma que julga mais apropriada, as idéias que lhe vêm à mente.

Uma das bonecas, em seu regaço, como se estivesse amamentando, e outra em pé, ao lado direito, no canto inferior da tela, ajudam a compor uma imagem marcada pelo sofrimento. A atividade de criar bonecas pode ser visto como uma analogia do poder de dar vida a imagens, algo que Maret realiza com facilidade, pois seus personagens parecem prontas a saltar da tela.

Maret domina muito bem os azuis e amarelos e confessa gostar menos de trabalhar com os vermelhos. Mesmo assim, quando isso acontece, o resultado causa impacto. É o caso de A expressiva cigana, em que a protagonista, dominada por um vermelho contundente, preenche a tela com vigor.

        A série Bordel, formada por dois quadros, é igualmente significativa ao mostrar a habilidade da pintora ao lidar com os marginalizados da sociedade. Casais se abraçando e jovens prostitutas dormindo em camas muito apertadas são imagens que sufocam o observador. A artista transmite seu inconformismo social com imagens densas e sem pieguice, que cativam justamente pela sinceridade e espontaneidade.

        Essas características acompanham trabalhos mais diretamente engajados, como Globalização, em que, rodeado por um fundo árido, um ancião miserável, que evoca Jesus Cristo ou o Antônio Conselheiro, surge imponente, rodeado por bandeiras de diversos países do mundo. Seu olhar de desespero e seus cabelos brancos pelo tempo e pelo sofrimento apresentam o retrato de um mundo cada vez mais dominado pela pobreza

        Nessa mesma linha, Garoto dormindo ao relento apresenta uma criança miserável encolhida na posição de feto num banco de praça. A crítica social e o vigor da imagem são evidentes, pois a miséria apontada pela artista ultrapassa a mera questão econômica, mergulhando na densidade social e, principalmente, existencial, do que significa não ter alimentação ou guarida decente. 

Títulos como O velho em uma prisão; A cantora, que mostra um rosto de cunho expressionista que sugere uma atmosfera de boate ou cabaret; O bêbado, em que predominam formas e imagens tortas e desequilibradas; Garoto comendo salgadinho, que mostra um menino pobre se alimentando em plena rua; e Discórdia, em que o rato come queijo enquanto as mulheres jogam e discutem distraídas, compõem um painel da visão de mundo de Maret.

        Bosch, Max Ernst, Portinari, Ribera e Van Gogh, pintores preferidos da artista, trabalham justamente com imagens distorcidas, muitas vezes próximas ao surrealismo e ao expressionismo, em que predomina a imaginação, mas geralmente com um forte conteúdo social. Os traços vigorosos desses pintores apontam para as telas de Maret, marcadas pela necessidade de diálogo com o observador, que se vê comovido perante as suas telas.

        Formada em História pela Universidade de São Paulo, Maret escolheu a carreira pelo seu envolvimento com as questões sociais. Seu percurso pela pintura pode então ser considerado o elemento motivador de seus passos profissionais. A marginalidade que mostra nas telas é melhor apreendida pela leitura da teoria marxista, da dialética de Hegel e de romancistas como Graciliano Ramos.

        Uma tela como Homens objectos exemplifica essa visão de mundo. Seres humanos são vistos saindo de uma espécie de linha de montagem, em que partes de sua humanidade são substituídas pela frieza de máquinas. Essa coisificação do homem preocupa a artista, que vê nas Revoluções Francesa e Russa momentos em que o ser humano tentou se libertar.

        Uma imagem que cristaliza o poder imagético de Maret é a tela em que surge um indivíduo vestido de palhaço sorrindo perante um espelho. Surpreendentemente, a imagem refletida chora. Essa ambigüidade permeia as telas da artista. Suas personagens estão próximos do pranto, mas, mesmo assim, apresentam grande vitalidade. Participam da vida e sofrem no contato com ela. Por isso, surgem distorcidos e doloridos.

        Admiradora de cineastas como Eisenstein e Fellini, que trabalham justamente com distorção de formas e apresentam um marcado conteúdo de crítica social, Maret transporta sua inquietação de maneira intensa. Primitivista pela espontaneidade e expressionista no poder de distorcer imagens em busca de saídas para as angústias existenciais vividas pelos marginalizados, Maret foge a rótulos e, em seu percurso pictórico, marcado pelo vigor das imagens e pelo respeito aos ditames internos que a sua arte exige, transforma em imagens o pensamento de Nelson Mandela de que "Não há caminhada fácil para a liberdade".

        Oscar D’Ambrosio é jornalista, crítico de arte e autor de Os pincéis de Deus: vida e obra do pintor naïf Waldomiro de Deus (Editora Unesp).

Oscar D’Ambrosio é jornalista, crítico de arte e autor de Os pincéis de Deus: vida e obra do pintor naïf Waldomiro de Deus (Editora UNESP).   

   

 

 

No Netscape clic com botão direito para ver a imagem


Fechar Foto                                                                                              Abrir Foto

"A Fazedora de Bonecos"

O..S.T - 100X100 - 1996

Maret

 

 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Galeria de Fotos

 

Oscar D’Ambrosio