por Oscar D'Ambrosio


 

 


 

.

Maramgoní

 

            Abstrações urbanas

 

            Pintar pode ser um desafio técnico, mas, antes de tudo, precisa ser uma relação visceral com as tintas e a tela. Mais do que discutir a arte, o artista necessita ter um envolvimento com aquilo que faz principalmente no aspecto de buscar um aprimoramento técnico e uma linha de trabalho que o satisfaça enquanto pesquisa estética.

            Maramgoní, com suas Abstrações urbanas, atinge um resultado plástico instigante. Desde os 9 anos, ao acompanhar as aulas de pintura que a mãe fazia, entrou no universo das tintas. E não parou mais. Acompanhou os primeiros passos na técnica e, ainda adolescente, começou a dar aula com tinta a óleo.

            Após passar por vários momentos, linguagens e estilos, encontra, nas suas visões urbanas, um assunto que pode desenvolver dentro de uma técnica balizada pelo conhecimento dos cânones do academicismo, como conceitos de luz e sombra e diálogo entre as cores, com a pesquisa autodidata desde o primeiro contato com a pintura.

            As visões urbanas de Maramgoní estão caracterizadas por um fazer técnico que leva em conta princípios de arquitetura, como perspectiva e continuidade das linhas, mas, progressivamente, existe um processo de desconstrução daquilo considerado bem feito.

            Nas telas trabalhadas em cinza, ocorre a visualização de uma cidade, mas esse referencial é, pouco a pouco, destruído, não de maneira aleatória, mas pela introdução, por exemplo, de mais de uma perspectiva em cada quadro ou pelo uso de massas de cor que quebram expectativas renascentistas de ou ainda por respingos à Pollock que, muito mais que marcas eventuais ou incertas, tendem a surgir a partir das próprias estruturas arquitetônicas evocadas.

            A cidade, geralmente São Paulo, nesse processo de construção e desconstrução de imagens, pouco a pouco, perde seu referencial mais direto e se torna um local impessoal e universal. O que começa a ser ressaltado é a pincelada em si mesma e a técnica. Gradualmente, a preocupação deixa de ser o que se pinta para ser como se pinta.

            Esse é o grande passo de um criador. No momento em que se debruça sobre o metiê, sobre a melhor maneira de resolver os problemas que  a feitura coloca, o artista começa a mergulhar mais e melhor nas formas que encontra de desenvolver um assunto e uma técnica.

            O universo urbano, pontuado pela entrada gradual de áreas abstratas que, muito menos que esconder a referencialidade exterior, a valorizam no sentido de promover um rico diálogo entre o manifesto e o sugerido, torna-se então a metáfora da velocidade pela qual o pintor paulistano parece aprimorar o seu trabalho.

            Maramgoní oferece sua visão de arte por meio de uma obra que toma o universo citadino como ponto de partida. Cada nova imagem é um processo de consolidação de sua pintura no mundo e sua afirmação para estabelecer sua própria linguagem, lírica nos seus melhores momentos, abstrata, no sentido de colocar questões,  e urbana por ter nos edifícios e na cidade o assunto que estimula a sua matriz criadora.             

              

Oscar D’Ambrosio, jornalista e mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Unesp, integra a Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA- Seção Brasil).

 

 

No Netscape clic com botão direito para ver a imagem


Fechar Foto                                                                                              Abrir Foto

 

  Abstração Urbana III
técnica mista 70 x 140 cm 2007

Maramgoní

 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Oscar D’Ambrosio