por Oscar D'Ambrosio


 

 


 

Terra

 

            Devoção ao nanquim

           

            Corante preto, originário da China há mais de dois mil anos, preparado  com negro-de-fumo (pó-de-sapato) coloidal e empregado especialmente para desenhos e aquarelas, o nanquim é constituído de nanopartículas de carvão suspensas em uma solução aquosa.

Essa descrição pode parecer fria, mas é necessária para conhecer a matéria-prima de Lú Terra, artista plástica que tem no nanquim seu principal meio de expressão. É por intermédio dele que se comunica com o mundo, desenvolvendo uma obra que tem diversas facetas.

Há os desenhos de imaginação, definidos pela artista como sendo de cunho surrealista. É, porém, na reprodução de cenas clássicas de grandes filmes, seja os de Charles Chaplin ou  2001: Odisséia no espaço, de Stanley Kubrick, e, principalmente, de suas fotos ou de fotógrafos amigos que a artista desenvolve boa parte de sua atuação.   

Existe na sua poética uma devoção pelo nanquim. Geralmente utiliza apenas preto e branco, mas, às vezes coloca detalhes em cor. Isso demanda o acurado processo de decidir o que deseja valorizar. É justamente na seleção das imagens que leva para o nanquim e na cuidadosa realização que o trabalho de Lú Terra se concretiza.

 

            Oscar D’Ambrosio, jornalista e mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Unesp, integra a Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA- Seção Brasil).

 

 

No Netscape clic com botão direito para ver a imagem


Fechar Foto                                                                                              Abrir Foto

 

  Pequeno índio
 
Nanquim Medalha de Prata - Categoria Acadêmico London Art Week - Brazilian Visions - Canning House Cultural Center - Londres, 2007

Lú Terra

 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Oscar D’Ambrosio