por Oscar D'Ambrosio


 

 


Lucia Novo

 

            Rumo à abstração

 

            A aquarela da artista plástica Lucia Novo tem um percurso dos mais curiosos e significativos. Em trabalhos anteriores, debruçou-se sobre a arquitetura dos arcos e, posteriormente, sobre as maravilhas que a natureza oferece, como as do Parque Burle Marx, em São Paulo.

            A exposição Verbos paulistanos, de 4 a 15 de abril de 2006, na Bita Arte Lofts, em São Paulo, SP, revela uma outra visão da realidade. O tema é a cidade de São Paulo, mas os grandes momentos não estão nas imagens com títulos em que mostra verbos como “Orar” ou “Habitar”, mas nos momentos em que consegue captar a dinâmica da cidade.

            Isso significa, por exemplo, um descompromisso com os títulos e uma relação profunda com o ofício da aquarela. O que começa a estar em jogo é cada vez menos o referencial real, mas a representação daquilo que significa a essência de viver numa metrópole: o movimento incessante.

            Os grandes instantes plásticos e poéticos da exposição residem na maneira como a técnica da aquarela é colocada a serviço de uma grande interrogação: captar o dinamismo de uma cidade como São Paulo significar ter na sua velocidade o grande assunto. Esse exercício de soltura gestual e técnica indicam um novo caminho.

            Cada vez interessa menos se o tema é uma rua, uma avenida ou um verbo. Os títulos são inúteis. O que se começa a ver é, lembrando o poeta Carlos Drummond de Andrade, um “sentimento do mundo”. O mundo concreto passa a ficar em segundo plano perante a necessidade de transformar em imagem um paradigma existencial.

            Sim, pintar São Paulo ou qualquer outro assunto exige o mergulho numa linguagem. Talvez isso não estivesse tão evidente na obra da artista como agora. Sua São Paulo passa a ser Nova York ou qualquer local do mundo. Seu universo se torna o da pintura em si mesma.

            Esse passo aponta para um futuro em que a questão temática parece ser cada vez menos importante perante uma discussão fundamental: a do o virtuosismo técnico no trato da matéria. O fascínio com a dinâmica de cada trabalho e o uso das cores ganham cada vez maior relevância e a indagação essencial deixa de ser o que se pinta, mas, sim, como se pinta.

            A presença bastante marcante da cor azul, por exemplo, é apenas um indicativo de uma das possibilidades plásticas de numerosas combinações em que o essencial reside sempre na melhor forma de transformar em aquarela uma necessidade interior de diálogo com o mundo.

            Nesse sentido, Verbos paulistanos  não é importante por ter “verbos” ou por eles serem “paulistanos”, mas por haver um trabalho plástico em nítida transformação. A pesquisa de cores ganha o primeiro plano e as formas se libertam rumo a um tipo de abstração infelizmente nem sempre presente nas galerias nacionais: a que é fruto da pesquisa plástica e da consciência de que o fazer artístico é um processo de constante e infinito amadurecimento de resultados imprevisíveis.

 

            Oscar D’Ambrosio, jornalista, integra a Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA-Seção Brasil) e é autor, entre outros, de Contando a arte de Petivov (Noovha América) e Os pincéis de Deus: vida e obra do pintor naïf Waldomiro de Deus (Editora Unesp e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo). É responsável pela página www.artcanal.com.br/oscardambrosio

 

 
 

No Netscape clic com botão direito para ver a imagem


Fechar Foto                                                                                              Abrir Foto

 
   Av. Paulista 
aquarela 16 x 35 cm 2006

Lucia Novo

 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Oscar D’Ambrosio