por Oscar D'Ambrosio


 

 


Lídia Saczkovski

 

            O fascínio da arquitetura

 

            Balzac (1799-1850), em A procura do absoluto, afirmou que os acontecimentos da vida humana, seja pública, seja privada, estariam profundamente ligados à arquitetura. Acreditava até que seria possível histórias de nações ou de pessoas a partir dos seus edifícios.

            O mesmo raciocínio pode, em grande parte, ser aplicado ao trabalho plástico de Lídia Saczkovski. Suas composições, geralmente em telas circulares, estão fortemente marcadas pela presença de edifícios, sejam igrejas, prédios, lojas ou os mais variados elementos que compõem cidades repletas de construções e com pouca presença humana.

Filha de imigrantes ucranianos, ela nasceu em Irati, Estado do Paraná, em 18 de janeiro de 1951, numa comunidade rural, imersa na religiosidade ortodoxa russa e com ampla convivência com o folclore, a arte, os costumes e idioma eslavos. Isso se mescla com o colorido certamente absorvido, em parte, durante os nove anos que morou no Nordeste brasileiro, caracterizado pela fusão entre as tonalidades quentes e uma riquíssima cultura popular.

            Casada com o artista plástico Malah, que foi seu incentivador, também encontrou respaldo em praticas no atelier de Edílson Viriato, em Curitiba, PR. Paulatinamente, foi encontrando o seu próprio estilo, muito marcado pela presença do elemento arquitetônico, tanto do universo urbano como  do rural. 

            Ao criar cidades, as estruturas plásticas de Lídia estabelecem numerosas fachadas multifacetadas. Árvores, calçadas e jardins são complementos de uma mistura de elementos, em que surgem, por exemplo, algumas cúpulas orientais e minaretes. Isso auxilia ao estabelecimento de um clima misterioso, pois o universo urbano retratado não é real, mas ricamente imaginado.

            No currículo da artista, consta a menção honrosa na importante Bienal Internacional Naïf em Buenos Aires, além de numerosas exposições coletivas. O mais significativo do seu trabalho está justamente na capacidade de dar à arquitetura uma dimensão visceralmente humana.

            Esse processo encanta, pois permite uma variedade infinita de composições. O importante é não perder de vista que o seu trabalho encontra um elemento diferenciador justamente na forma despojada como parte da arquitetura para obter a sua linguagem pictórica.

            Nesse sentido, uma imagem de prédios justapostos, cenas de capoeira ou de festas populares nordestinas ou do sul brasileiro podem atingir o mesmo excelente resultado estético desde que sempre sejam tratadas com originalidade e criatividade. Assim, cada nova tela nunca será uma repetição da anterior, mas uma versão mais aprimorada na busca do aperfeiçoamento contínuo.

            Seja ao tratar do universo, do campo, de pequenas cidades ou de uma metrópole, Lídia Saczkovski precisa se manter atenta para continuar desenvolvendo uma linguagem em que o tema em si mesmo seja menos importante do que a forma da composição realizada.

            As cidades da pintora paranaense encantam pela plasticidade e, por seguirem, à sua maneira, o ensinamento de Balzac de que a arquitetura é um dos caminhos mais interessantes para desvendar as almas dos seus construtores e moradores. Assim, ao se observar uma tela de Lídia, estamos aprendendo um pouco sobre ela e sobre a ilimitada capacidade de criar dos seres humanos.

 

Oscar D’Ambrosio, jornalista, é mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes (IA) da UNESP, campus de São Paulo e integra a Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA-Seção Brasil). É autor, entre outros, de Contando a arte de Cláudio Tozzi (Noovha América) e Os pincéis de Deus: vida e obra do pintor naïf Waldomiro de Deus (Editora Unesp e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo).

 
 

No Netscape clic com botão direito para ver a imagem


Fechar Foto                                                                                              Abrir Foto

 
Metrópoletécnica 
mista sobre teladiâmetro: 60 cm2004  

  Lídia Saczkovski

 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Oscar D’Ambrosio