por Oscar D'Ambrosio


 

 


 

Fábio Sombra

Um Construtor de Imagens





Guias de turismo trabalham sobre imagens. Eles mostram cidade aos turistas e vão exercitando sua capacidade verbal de retirar de cada paisagem o máximo de informações possíveis. Por isso, um bom guia é aquele que consegue transformar uma cidade pouco atrativa em um discurso envolvente e apaixonante.

O guia Fábio Sombra foi além de tudo isso. Ele passou a construir as próprias imagens, num estilo marcado por cores fortes e chapadas trabalhadas numa perspectiva muito peculiar. O carnaval, praças como o Largo do Boticário, no bairro do Cosme Velho, os arcos da Lapa e o bondinho de Santa Teresa aparecem em suas telas como pontos turísticos, sim, mas acima de tudo, com impressionante densidade imagética, que reúne pessoas, morros e prédios em composições harmoniosas e equilibradas.

Nascido em 1965, no bairro carioca da Urca, Sombra nasceu para iluminar. Seu vínculo com as artes plásticas já se configurava quando, na juventude, desenhava e estampava camisetas que vendia na Feira Hippie de Ipanema, onde a mãe tinha uma barraca de artesanato.

Posteriormente, formou-se em Direito, fundou uma estamparia e viajou, olhos atentos e mochila nas costas, pela América Latina, no final dos anos 1980. Foi, porém, após viajar pelo Velho Continente, em 1990, e contemplar os maravilhosos museus europeus, que Sombra sentiu o chamamento para a arte que caracteriza os naïfs.

Telas e tintas passaram a integrar o seu cotidiano. Iniciou sua produção, teve quadros incluídos no Museu Internacional de Arte Naïf do Rio de Janeiro, mas, após tentar carreira na Europa, percebeu que faltava amadurecimento à sua vocação. Não desistiu. Continuou pintando, tendo como principal inspiração a sua cidade, e, em 1999, teve telas adquiridas pelo Museu Internacional de Arte Naïf Anatole Jakovsky, em Nice, França, e pelo Museu Internacional de Arte Naïf Charlotte Zander, em Bönnighem, Alemanha.

Em 1995, Sombra fez o curso de Turismo e passou a acompanhar brasileiros por todo o mundo, principalmente pelo Leste Europeu. Quatro anos depois, o sentido das viagens se inverteu, pois começou a recepcionar os estrangeiros que visitavam o Rio, passando a ter mais tempo disponível para se dedicar à pintura.

Inicialmente, os temas eram aqueles dos quais falava. Seu Rio de Janeiro, colorido e alegre, é um colírio para os olhos, um ponto de partida para discursar sobre a Cidade Maravilhosa. Passar os olhos pelo trabalho pictórico de Sombra é, sob certo aspecto, até melhor do que visitar a cidade.

O olhar arguto do guia, seletivo e consciente, já nos conduz por um percurso pré-determinado. A Baía de Guanabara, Mangueira e Portela no Sambódromo, o reveillon na Praia de Copacabana, o Cristo do morro do Corcovado, o Pão de Açúcar, um domingo de futebol no Maracanã, tudo aparece nas telas de Sombra, também capaz de pintar um díptico sobre o céu e o inferno.

Autodidata, Fábio Sombra põe em seus quadros a realidade carioca que vê com lentes de artista e de guia turístico. Dessa mescla, nasce uma obra pujante. Aparentemente apenas um documento fotográfico em tintas, ganha, para o espectador atento, nova vida, pois é nos detalhes que ela ganha força.

Acima do encantador cenário natural carioca, bairros antigos, com sedutores casarios neo-coloniais e árvores frondosas mostram um Rio de Janeiro que muitos turistas não vêem. Preocupados com a violência urbana e a marginalidade, visitantes esquecem de como o Rio, pérola encravada entre a mata e o oceano Atlântico, é um cartão postal para um guia turístico mostrar suas qualidades, não só com as palavras, mas, no caso de Fábio Sombra, principalmente com as tintas.



Oscar D’Ambrosio



 

No Netscape clic com botão direito para ver a imagem


Fechar Foto                                                                                              Abrir Foto

 

Carnaval Festa do Povo 
A.S.T- 30x120 - 1999

Fábio Sombra

 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Oscar D’Ambrosio