por Oscar D'Ambrosio


 

 


Fábio Gatti

A busca de contato

O que significa estabelecer contato com uma pessoa? É necessário o toque explícito, oriundo do tato? Ou basta uma relação de freqüência, de proximidade ou de influência? Essas questões surgem ao observar atentamente os quadros do pintor paranaense Fábio Gatti, que revela um talento incomum no tratamento de cores quentes.

Nascido em Londrina, PR, em 7 de outubro de 1980, Fábio começou a se interessar por pintura quando foi levado para um ateliê pela tia, que fazia aulas de pintura à tarde e queria uma companhia. Após esse primeiro contato com a arte, o jovem iniciou um percurso constante de envolvimento com as telas, enquanto a tia abandonou a atividade.

Fábio começou a freqüentar academias de arte aos dez anos e nunca mais parou. Estudou por seis anos pintura acadêmica, cujo aprendizado atribui à artista Vera Lúcia Joo, e depois passou para o abstrato, numa busca constante para concretizar sua ânsia de domínio técnico e artístico. Conheceu assim Daniella de Araújo, formada em artes pela Universidade Estadual de Londrina, professora e orientadora com a qual divide atualmente o ateliê.

O mote que rege os quadros de Fábio é, como ele mesmo define, o "contato". Em maio de 2001, realizou, em Londrina, uma exposição com esse título, cristalizando um projeto desenvolvido durante três anos. "A mágica da minha produção está justamente em retratar o que posso ver, sentir, ouvir e falar em abstrações, sejam elas figurativas ou não", afirma. "Quero que as pessoas, ao olharem uma obra minha, sintam que aquele trabalho realmente transmite alguma coisa."

Esse contato é estabelecido de várias maneiras. Há trabalhos abstratos e também imagens mais figurativas, como o impressionante retrato de uma negra mostrada com uma coroa na cabeça e um estilizado véu, enquanto, do lado direito, um crucifixo dourado completa a cena. No fundo colorido, de composição abstrata, o corpo da mulher se dilui na parte inferior, ganhando leveza e imponência.

Apresentado na XV Mostra Afro-Brasileira Palmares, em 2000, a tela Pão, luta e saudade exprime, pelas cores quentes, angústia, enquanto os olhos abertos, em amarelo e vermelho, reforçam a intensidade dos sentimentos e os lábios carnudos transbordam energia e sensualidade.

O expressionismo e a caricatura se acentuam em telas como Respiração e Fofi. No primeiro, um grande sorriso se abre num rosto amarelo, com lábios de intenso vermelho e enormes dentes brancos. Em Fofi, uma figura feminina de vestido amarelo, em fundo azul, surge com cabelos esvoaçantes e rosto contorcido.

Há ainda trabalhos que enfocam o fascinante mundo dos neurônios. Num deles, sobre uma tela negra, um cérebro e dezenas de neurônios são retratados. O conjunto está conectado por um cabo a um teclado de computador, num resultado que gera impacto pela beleza estética e pelo potencial questionador.

Em outra obra nessa linha, intitulada Descarga Noro-Adrenérgica, é possível ver a figura de um neurônio em meio a círculos azuis e manchas vermelhas e amarelas. O resultado oferece uma visão pictórica do que seja uma descarga energética. Há dinamismo e energia extravasando, numa imagem que não deixa o espectador indiferente.

Ligadas ao termo "contato" de uma maneira mais explícita, telas como Derretendo mostram duas mãos negras sobre um fundo azul, vermelho e laranja. Elas se tocam, mas, ao mesmo tempo, parece que estão se desfazendo, como se o toque fosse, simultaneamente, um momento de salvação, mas também dor, sofrimento e desespero.

Toque é ainda mais explícito, pois um dedo de características pictóricas próximas ao expressionismo surge com a parte próxima à unha dobrada, num momento de contato físico. Novamente há ambivalência, pois o contato tanto pode ser prazeroso ou gerar dor. Para o pintor, o mais importante está justamente no fato da sua obra gerar uma reação na pessoa que a vê.

É estabelecido assim o "contato". Em Astronomia, o vocábulo significa a posição aparente de dois astros no momento em que parecem tocar-se, enquanto, na geometria, é a propriedade de duas curvas que, tendo um ponto em comum, têm na vizinhança desse ponto, pelo menos n + 1 pontos comuns.

O contato, portanto, exige um diálogo entre os envolvidos. Seguindo esse raciocínio, um quadro como Frio, por exemplo, no qual as digitais dos cincos dedos da mão surgem em negro sobre fundo branco, mostra que todo contato deixa suas marcas. Seja entre os astros ou entre as formas geométricas, todo contato, para ser efetivo, envolve uma relação e uma reação.

É isso o que ocorre num quadro como Hemoglobina, que reúne as principais qualidades da pintura de Fábio Gatti. O vermelho geralmente sempre presente, as pinceladas largas próximas ao expressionismo e a temática visceral – no caso, o pigmento dos glóbulos vermelhos dos vertebrados que fixa o oxigênio do ar e o cede aos tecidos – estão presentes, assim como um fundo irregular, de teor abstrato, que dá à tela dinamismo e transmite inquietação ao observador.

Gatti cursa desenho industrial na Universidade Norte do Paraná e realizou sua primeira individual, em 1999, na Associação Recreativa Esportiva Londrinense, tendo ainda participado, em 1999 e 2000, da Mostra Afro-Brasileira Palmares, também em Londrina. Nessas oportunidades, mostrou como o contato que deseja ter com o apreciador de suas telas pode se dar de variadas maneiras, seja em quadros que evocam diretamente imagens reais seja em exercícios abstratos, distantes de referentes concretos.

A pujante arte de Fábio Gatti não oferece respostas, mas gera perguntas. Suas telas, marcadas pela predominância de vermelhos, amarelos e laranjas, estabelecem contato com o observador pela forma como combinam cores e formas, seja de figuras humanas, o mundo dos neurônios ou de elementos sangüíneos. Seus quadros enfocam esses temas com desenvoltura e originalidade, gerando telas que cumprem o autêntico papel da arte: o de questionar tudo sempre.

Oscar D’Ambrosio é jornalista, crítico de arte e autor de Os pincéis de Deus: vida e obra do pintor naïf Waldomiro de Deus (Editora UNESP).   

   

 

 

No Netscape clic com botão direito para ver a imagem


Fechar Foto                                                                                              Abrir Foto

"Pão, Luta e Saudade"

A.S.T - 130X130 - 2000

Fábio Gatti

 

 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Galeria de Fotos

 

Oscar D’Ambrosio