por Oscar D'Ambrosio


 

 


Cesar Carvalho

 

A defesa do ser humano

 

A natureza é o ponto principal de inspiração da maioria dos artistas. Frente ao que consideramos o mundo real, eles geram recriações variadas, sob infinitos pontos de vista. Há ainda aqueles que encontram na defesa da natureza uma de suas principais motivações e, posteriormente, desenvolvem novas visões do mundo a partir dessa consciência.

Muitas vezes, perante atividades cotidianas, repetidas por anos, surge um “clic” que os leva a transformar materiais com os quais convive diariamente em autênticas obras de arte. É na fusão entre a defesa do meio ambiente e a capacidade de criação, que se expressa o talento de César Carvalho.

Nascido em Salvador, BA, em 18 de dezembro de 1952, o artista lembra que desenhava e pintava desde criança, sendo sempre o vencedor dos concursos no colégio que tinham como tema o Dia da Árvore. Isso não bastou, porém, para que Carvalho dedicasse sua vida à arte. Trabalhou como técnico em mecânica – atividade que ainda exerce – e foi justamente em meio à sucata que encontrou o start de suas criações.

A data divisória de águas foi 1990. Depois de passar anos dispensando peças velhas de suspensão de automóveis que passavam pela oficina, Carvalho percebeu que poderia utilizá-las para a feitura de obras de arte e, ao mesmo tempo, denunciar os maus tratos com a ecologia.

Surgiram assim os primeiros trabalhos com sucata. Foram 19 esculturas em ferro com formatos de esqueletos de animais, como tamanduá-bandeira, jacaré e dinossauro. O passo seguinte foi a exposição “O Fim – os animais nascem, crescem e o homem mata”, ambientada numa cenografia que dava a idéia de que aquilo que se via era o resto da explosão de uma bomba química.

Os esqueletos de animais dão a plena sensação de apresentarem ao espectador “o dia seguinte” de um ataque nuclear. Despossuídos de carne, elas são estruturas que vagam a esmo, em busca de seus órgãos internos em um mundo árido. O alerta, embora lançado há mais de dez anos, permanece, infelizmente, muito atual, principalmente após os atentados contra os EUA desferidos em setembro de 2001.

Ao trabalhar com esculturas de menores proporções em ferro com sucata de motores, Carvalho revela outra faceta do seu talento. Obras como Caravela apresentam uma maior leveza no resultado final, que se acentua em obras como Direção, Raio ouro e Movimento.

Crista e Asa, por sua vez, trabalham com a noção de vazio, estabelecendo formas que podem ser atravessadas pelo ar e parecem flutuar à espera do vento. Obter tal resultado com um material como o ferro exige extrema noção estética e cuidado para que a relação entre peso/ leveza e vazio/ cheio se integre e complete.

O ferro é ainda combinado com a resina em esculturas como Espada e Pássaro. É possível novamente encontrar a característica da leveza e, principalmente, movimentos ascensionais de cunho verticalizante que propiciam um diálogo entre a matéria profana e os sentimentos divinos.

Pinturas a óleo também integram o mundo artístico de César Carvalho. Ele lembra que a sua primeira pintura, em 1972 foi Ruínas, uma casa de pedra. A temática foi progressivamente se ampliando para nus femininos plenos de sensualidade e telas de temática social como Discriminação racial global.

O melhor momento, todavia, é atingido em Flagelos da seca, visão expressionista de uma família de retirantes estilizados em sua magreza, que caminham em meio a um céu em tonalidades quentes de amarelo, vermelho e laranja e de um solo inclemente castigado pelo calor.

A arte de Cesar Carvalho, em suas variadas manifestações, é um talentoso tributo de amor ao ser humano. Seja em defesa da natureza, contra o racismo ou alertando para o drama da seca, revela extrema criatividade, bem maior do artista na sua eterna luta para domar os materiais e lhes dar a forma que julgue mais adequada dentro de seus pressupostos ideológicos e estéticos.

Oscar D’Ambrosio é jornalista, integrante da Academia Brasileira de Críticos de Arte (ABCA) e autor de Os pincéis de Deus: vida e obra do pintor naïf Waldomiro de Deus (Editora Unesp).

 

 

 

No Netscape clic com botão direito para ver a imagem


Fechar Foto                                                                                              Abrir Foto

"Flagelos da seca"

O.S.T -  60x40 cm  2001

Cesar Carvalho

 

 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Galeria de Fotos

 

Oscar D’Ambrosio