por Oscar D'Ambrosio


 

 


André Albuquerque

 

A aparente arte de pintar retratos

 

Quem observa as pinturas de André Albuquerque pode achar que ele pinta retratos deformados de cunho expressionista e que a sua arte se aproxima da de Francis Bacon. Embora esses comentários sejam, em parte identificáveis, eles escondem o verdadeiro motivo e tema dos quadros do artista.

Albuquerque fala de pintura. Muito mais importante do que as pessoas retratadas, muitas vezes reais, como o poeta Baudelaire, o filósofo Wittgenstein ou o escritor Dostoiésvsky, sua arte expressa o desejo de escavar com o pincel e a tinta a tela, num trabalho físico que gera figuras agoniadas, que apontam às vezes para o mestre norueguês Munch.

            Referências à parte, o jovem artista, com 32 anos, nascido em Caieiras, SP, formou-se em mecânico de locomotiva pelo Serviço Nacional de Indústria (Senai) e trabalhou como mecânico de empilhadeira. Inicialmente, buscou na escrita a válvula de escape de uma cabeça fervente de idéias.

            Em 1993, ao ler uma reportagem sobre a morte do pintor inglês Bacon, ficou fascinado, não tanto inicialmente pela obra, mas sim pela vida daquele artista que, autodidata, descobriu nos quadros uma profunda relação com o mundo. Quem só vê neles a transformação de corpos e rostos, perde o trabalho de pintura magistral ali existente.

            Albuquerque, a partir daquele instante, sentiu que ele podia trilhar o caminho das artes plásticas. Freqüentou ateliês para ter o primeiro contato com tintas e pincéis, mas logo quis vislumbrar a própria estrada. Encontrou no desenho do corpo um novo olhar. Daí sua fascinação por artistas como Bacon e Lucien Freud, ingleses que tratam o figurativo com uma originalidade marcante.

            Se os rostos do artista paulista causam impacto logo à primeira vista, sejam em formatos maiores ou menores, isso se deve, principalmente nos melhores trabalhos, à maneira como essas figuras são trabalhadas de modo a tornar a imagem o testamento de uma alma.

            Wittgenstein é um filósofo reconhecidamente brilhante pela capacidade que teve de montar um sistema de pensamento para desconfigurá-lo em seguida e colocar outro no lugar. Ele ofereceu a escada para ver atrás do mundo e a retirou em seguida. Guardadas as proporções, Albuquerque nos faz ver rostos para que nos iludamos e deixemos de lado o que mais importa: a forma como os pinta.

            No ato de escavar a tela e construir a sua figura desmontando retratos, observa-se um pintor visceral que, nos próximos anos, tem tudo para levar essa mesma técnica para espaços maiores, trabalhando com conjuntos de corpos ou outras imagens. Nesse processo, cada vez ficará mais claro que seu tema é a lucidez criativa da própria pintura.

 

            Oscar D’Ambrosio, jornalista, é mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes (IA) da UNESP, campus de São Paulo e integra a Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA-Seção Brasil). É autor, entre outros, de Contando a arte de Peticov (Noovha América) e Os pincéis de Deus: vida e obra do pintor naïf Waldomiro de Deus (Editora Unesp e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo).

 

 

No Netscape clic com botão direito para ver a imagem


Fechar Foto                                                                                              Abrir Foto

 


Série Wittgenstein
Sem título
18x15 cm - óleo sobre tela - 2004


André Albuquerque

 

artCanal

 

Outros Artistas

 

Galeria de Fotos

 

Oscar D’Ambrosio